sábado, 31 de outubro de 2009

c8h10n4o2 para viagem (canção noturna nº 17)



Um pouco de insegurança no meu cachimbo
E uma caixa de fósforos já queimados
Como farei para perfumar o ambiente?

Arranco minha pele com teus restos e queimo
Pois tal incenso não precisa de chamas para acender
Pois tal incenso já veio aceso da loja
Onde não se vendem sonhos muito menos ilusões

Óleos corporais, escamações noturnas.
Flâmulas temporais, tecidos rasgados, sujeira
Suor inexistente. Marcas de velhos acidentes, dentes
Pelos púbicos, líquido digestivo, cálculos renais

Retornando do banheiro pingo óleo diesel fracionado
Azeite resfriado, óleo de baleia, vampores em
Meu cachimbo que não se acenderá jamais

E olhos através da janela, as luzes me cegam, já é madrugada
O que aconteceu hoje não sei, perdi minhas memórias
Já é madrugada. Sem fósforos novos para me queimar
Cuspo moedas. Sem motivos para não mais estar, fecho os olhos
E quando abro novemente já é uma nova tarde e te pergunto...

Dormiu bem cabeça oca?

"I lit  a thin  green  candle, to make  you jealous of me. But the room just filled up with mosquitos, they heard that my body was free. Then I took the dust of a long sleepless night and I put it in your little shoe. And then I confess that I tortured the dress that you wore for the world to look through." - Leonard Cohen

domingo, 18 de outubro de 2009

Terceiro olho com vista para o mar.

 http://4.bp.blogspot.com/_lJNBT4buTZs/ScEdZr_SnlI/AAAAAAAAAOU/zPAcjnslsWQ/s400/yin-yang.jpg
Sou escravo do yin-yang. Este símbolo que se origina do Tao normalmente é confundido com um símbolo de paz, e não deixa de ser, mas explicarei de forma simplória o seu significado. Ele é a representação de duas forças complementares e ao mesmo tempo únicas, é a unidade, não há separação entre elas mesmo ambas sendo distintas entre si. Vivemos em movimento, constantes mutações, sendo que o Yang represente o lado masculino do homem, o lado quente, claro, brilhante, racional, e o Yin representa o lado feminino do homem, o lado frio, o lado noturno, escuro, sentimental. Vivemos em alternâncias e elevamos estes conceitos ao extremo gerando preconceitos tanto entre os humanos conservadores como os desviantes de moralidade. Mas deixando esta questão de lado, a postagem volta ao seu início onde me afirmo escravo do yin-yang. Diversas vezes fui acusado de ser arrogante. Diversas vezes fui acusado de ser irracional. O yin-yang demonstra isso com clareza, ele é a representação mais pura do homem, pois neste círculo temos os extremos em firme contato e dentro do ponto quase de final de cada um de nossos lados vemos o outro lado sempre presente. Quando somos pensadores de certa forma fica um questionamento latente dizendo se não deveríamos estar apenas existindo, e quando apenas existimos sempre acabamos em certo ponto buscando algum julgamento. Por qual motivo não posso doutrinar os animais como humanos? Por qual motivo não posso me masturbar em praça quando vejo uma mulher atraente? Estes extremos nunca serão alcançados em plenitude, pois sempre me conceituando na explicação, quando saio por aí com amigos ou sozinho, sem racionalizar as coisas, apenas vivendo e sentindo e amando, em dado momento estarei sentindo a falta do pensamento, e o quão correto é abandonar meus conhecimentos em prol da sabedoria existencial? E quando estou racionalizando e fazendo justiça a minha inteligência privilegiada em dado momento me sinto culpado e necessitado de parar de pensar e simplesmente existir, sinto falta do natural e do nada neste tudo de pensamentos. Palavras são malignas, mas isso quando pensamos nela, pois o mal e o bem são a mesma coisa em teoria, quem os define somos nós ao julgar ações e conceitos. Têm-se o dom de comunicar com palavras, então até que ponto é injusto ao nosso instinto fazer isso. E se temos o instinto por qual motivo precisamos a todo o momento estar vivendo em sintonia com palavras. O belo é arrogante com o não tão belo assim. O esperto é arrogante com o não tão esperto assim. O inteligente é arrogante com o não tão inteligente assim. O sábio é arrogante com o seu poder cerebral. E se formos escravos do cérebro? Será uma prova para alcançar o nirvana? O nirvana no yin-yang seria um ponto centro, onde não se depende mais da fruição da vida, e sim do existir neste meio. Mas o homem deve viver o caminho do homem, e enquanto homem nos tornamos dependentes desta fruição. A maior parte das pessoas não admite isso e por isso gosta de personagens lineares. Novelas fazem sucesso com o bem e o mal expostos claramente. A sociedade classifica o bem como a exclusão de todos os conceitos que acha desagradável para o seu ego. Somos apenas egoístas. Alguns admitem isso, mas na hora que são questionados se consideram diferentes. Ninguém é diferente, nossas personalidades são apenas formas de nos enganar e parecer mais justos, individualizados, e isso é o correto para a sociedade. Como o homem que quer se mostrar individual, pois acha que isso é superior, não enxerga que em qualquer caminho feito com o coração a superioridade é justamente o caminho contrário? Não deveríamos estar preocupados em nos tornar individuais e exclusivos, e sim todos a mesma coisa, mas uma mesma coisa mais justa, não uma mesma coisa estereotipada e forjada por padrões comportamentais que só fazem bem ao controle humano. Para ver como estamos já dominados por padrões e mensagens o descontrole é visto como errôneo. Perder o controle é algo que ninguém quer, então mudo o ângulo de visão da pergunta, queremos ser controlados? Ser você mesmo quando você não sabe o que é não passa de cair numa outra forma de controle, o controle do ego. Queremos ser controlados? Controlamos os outros diariamente e gostamos disso, e não há nada de errado nisso, mas quando fazemos pelo instinto, o problema é que a maior parte dos atos que pensamos ser instintivos na verdade já foram mimetizados para assim parecer e assim parecer bom. Como descobrir nosso cérebro dos conceitos que nos foram dados desde novos por diversas formas de domínio de nossa existência? Não temos como voltar à natureza selvagem, nem seria justo com o que evoluímos até hoje, mas não é nada mais justo também continuar como estamos agora. Voltando novamente ao escravo do yin-yang, afinal este texto disfarçado de questionamento ideológico por mais que tenha intenções além desta base, não se perde de ser uma expurgação de meus próprios dogmas. Alterno entre clarividências de espiritualidade com arrogâncias racionais. Enquanto inteligentes tenho inveja do meu lado sábio e enquanto sábio tenho inveja do meu lado inteligente. Seja aberto e admita isso, creio ser um passo importante para alcançar o seu centro. Enquanto isso vivemos um ensaio do caos e invertemos valores, nossa não-dualidade toma forma (de alguma forma) através da informação que flui pelas nossas cabeças, ao mesmo tempo em que negamos esta corrente e fazemos tudo para aumentar o tamanho de nosso falo. Somos os mais evoluídos, os mais inteligentes, temos tecnologia, mas ainda somos macacos, e não sabemos lidar com este contraste. A resposta está em algum lugar central a isso tudo, não tenho idéia de onde seja este centro, por isso continuo vivendo meu fluxo constante de arrogância e amor, racionalização e sentimentos, ego e sinceridade. Até mais, e obrigado pela preferência (e pelos peixes!).

sábado, 17 de outubro de 2009

Cartase da escravidão cultural pelo Sr. LoveFuck aos servos renascentistas expatriados: Parte I

Schiele teve um pai doido
Cada dia aparecem mais filmes para ver.
Cada dia aparecem mais livros para ler.
Cada dia aparecem mais discos para ouvir.
Cada dia desaparecem mais horas para amar.

Amar no sentido romântico, banalizado, inventando.
Vemos o tempo passando e nossas vidas acabando.
A cada segundo vivido é menos um segundo contigo.
E quem é você? Por qual motivo perco meu tempo pensando?

Existem outras formas de amar. Mas cadê? Por quê?
Existem? A cada dia mais filmes, livros, discos.
A cada dia menos amor, menos corpo, menos sentimento.
Menos alma. Menor a preocupação com o certo.

Nem me preocupo mais se este poema está correto.
Só não quero saber o que vou fazer amanhã.
Menos tempo para o amanhã e para o tempo.
Mais tempo para você. Se você estivesse aqui...
Mas aqui só estão meus discos, livros, filmes, espaços vazios.

Cada dia aparecem mais motivos para chorar.

"Sim, o eterno retorno significa que, cada vez que você escolhe uma ação, deve estar disposto a escolhê-la por toda a eternidade. O mesmo se dá com cada ação não realizada, cada pensamento natimorto. Toda a vida não vivida ficará latejando dentro de você, invivida por toda a eternidade." - Irvin Yalom

sábado, 10 de outubro de 2009

Jornal das 7.



Está começando o Jornal da Noite primeira edição.
Agora fiquem com as manchetes do dia.
Ciência destrói a Descoberta.
Religião destrói a Espiritualidade.
Políticos destroem a Liberdade.
Advogados destroem a Legalidade.
Mídia destrói a Informação.
Médicos destroem a Cura.
Está tudo ao contrário no mundo em que vivemos?
Se você tiver sorte... boa noite!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Besteiras para com a Música lavar em azul.

 

Você irá nascer, e pessoas estão ali a te esperar
Sorrisos nos rostos, esperanças de um futuro brilhante
Ou ao menos o zagueiro do melhor time da cidade
Eles vão pela natureza tentar estar ali por toda tua vida
E no final ela é a única que não te abandona.

Você irá ficar maior, aprender a ler e escrever
Na escola irão te dar os parabéns pela sua inteligência
Outros irão te odiar e te julgar pelo mesmo motivo
Teus colegas irão te chamar para brincar, sorrisos e bonecos
Mas no final ela é a única que não te abandona.

Você começará a reparar nas meninas, bonitas e simpáticas
Depois você irá começar a reparar nas mesmas, de outra forma
Você começará a reparar nas meninas, sensuais e tentadoras
Em algum momento você dirá 'Eu te amo' pela primeira vez
E no final ela é a única que não te abandona.

Você verá que outra virão e irão, poucas realmente importarão
Estás prestes a acabar a escola, vem uns porres, vem experiências
Tens seus melhores amigos ,aqueles que dizem ser eternos,
Pois nesta idade que se formam as verdadeiras amizadas
E no final ela é a única que não te abandona.

Você entrará na faculdade, sua vida toma um rumo, é seu futuro ali
Novas visões, novas idéias, mais alimento intelectual para os fracos
Mais bebidas, mais destruição do corpo e da alma, eles te moldam
E pronto, estás no ponto ideal para sair dali, ser um homem de negócios
E no final ela é a única que não te abandona.

Você faz amizades no trabalho, você cumprimenta eles todos os dias
Te chamam para festas, contam piadas sobre o chefe
Você dorme com a mulher do cara que senta na mesa ao lado
Chega a sexta, todo mundo contente, é hora de ir para casa ver TV
E no final ela é a única que não te abandona.

Você evolui na empresa, quem sabe mude para outra melhor
Quem sabe ano que vem ganhe aumento, começa a pensar em casamento
Se casa com a mais bela da faculdade, aquela que você amará eternamente
Aquela que você trairá assim que uma belezinha na rua te cantar
E no final ela é a única que não te abandona.

Você terá sucesso profissional, sairá no jornal local
Quem sabe um dia apareça nas páginas amarelas de uma revisa importante
Seja citado futuramente em boas publicações, receba prêmios
Sorrisos invejosos chegando, mãos raivosas apertando, você é um sucesso
E no final ela é a única que não te abandona.

Você terá filhos, vais criar eles para serem melhor do que você
Irá enxer eles de dogmas, formará eles na sua religião, dirá que você sabe tudo
Eles irão contra o que tu diz, você ficará bravo, mas um dia entenderá
É a juventude, rebeldia, você então pensa 'eu tenho uma família feliz afinal'
E no final ela é a única que não te abandona.

Você irá envelhecer ao lado de sua esposa, que tu nem ao menos ama mais
Quem sabe se separem e você morra como um velho amargo
Quem sabe vocês fiquem juntos até a morte e você morra como um velho amargo
Quem sabe o seu funeral seja o mais belo da cidade cheia de pessoas amargas
E no final ela é a única que não te abandona.

Ela estará lá mesmo quando sua alma tirar a armadura pesada que carregou durante todos os anos para finalmente conseguir se juntar a essência universal que sempre esteve do teu lado mas você negou constantemente pois queria uma vida material, cheia de fama e riquezas, mulheres e destrezas, amigos e avarezas, reconhecimento e pouco importa tudo o mais de besteiras que você conquistou amargurando aos outros e a ti mesmo. Mas agora você morreu, sua esposa estará com outro homem e lembrará de você pela forma que você se portava e não pelo que você realmente era. Seus filhos terão suas próprias vidas de felicidades e tristezas e lembrarão de você pela forma que você se portava e não pelo que você realmente era. Seus amigos irão brindar uma vez ou outra em teu nome e lembrarão de você pela forma que você se portava e não pelo que você realmente era. Teus colegas de trabalho irão fazer comentários engraçados sobre fatos do passado sempre com um fundo de desprezo por ti e lembrarão de você pela forma que você se portava e não pelo que você realmente era. Seus influenciados e seus futuros admiradores irão mirar em teus exemplos possivelmente de um jeito errado pois/e lembrarão de você pela forma que você se portava e não pelo que você realmente era. Você será bonito e feio, forte e fraco, irresponsável e sábio, ignorante e inteligente, temeroso e ousado, e diversas outras características, e diversas outras combinações, e diversas outras imagens, e diversos outros personagens, e quem será você mesmo? Você tem certeza que alguém realmente falou contigo algum dia? Fecho o livro de tua vida e me despeço, pois tudo o que eu posso fazer é ser eu mesmo, independente do que isso seja. Também vou te abandonar, mas sorria, pois você já sabe que no final ao fundo sempre tiveste o tudo e o nada no aqui e no agora, quem sabe outra hora, mas por hora morres pelos mesmos caminhos que antes choravas, tivesses ele mas desprezaste, o amor real, e ele, onde ficava? Chega e senta e aguenta. É o final...

E no final ela é a única que não te abandona.