quarta-feira, 25 de junho de 2008

Frases

"É tão fácil ser poeta, e tão difícil ser um homem".
Charles Bukowski.

"Tudo que peço da vida é um punhado de livros, um punhado de sonhos e um punhado de vulvas".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"Até as piores pessoas praticam ao menos uma boa ação na vida. Hitler suicidou-se."
Manuel Lachtermacher

"O pior inimigo do cinema é a indústria"
Jean Renoir.

"Quem não quer matar seu pai?"
Dostoiéviski, Os irmãos Karamazov.

"O cinema é o meio mais direto de entrar em competição com Deus."
Federico Felline

"Se meus filmes não dão lucro, sei que estou fazendo a coisa certa."
Woody Allen

"Um artista está sempre sozinho, se é artista".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"As convicções são cárceres."
F. Nietzsche, O Anti-Cristo.

"A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer."
Mario Quintana

"Minha mãe não pariu nenhum punk, no entanto aqui estou eu"
Fred 04

“Música não é política, mas traz em si a idéia de liberdade".
Lou Reed

"Sou um artista assalariado, obrigado a interpretar toda noite uma farsa intelectual sob seus estúpidos narizes".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"Alguns nascem póstumos".
F. Nietzsche, O Anti-Cristo.

"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor.Que tem que ser vivido até a última gota.Sem nenhum medo. Não mata."
Clarice Lispector

"E bom ter sempre dois advogados á disposição... um pra livrar a gente do outro."
Alfred E. Neuman.

"Seria responsável somente perante a Deus, se Ele existisse".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

" Eu era como um lixo que atraía moscas, em vez de uma flor desejada por borboletas e abelhas."
Charles Bukowski, Ham on Rye.

"Nunca me ensinaram a arte da solidão, tive de aprendê-la sozinho. Ela se tornou tão necessária para mim quanto Beatles, tanto quanto beijos na nuca e carinho".
Intimidade, de Hanif Kureishi

"Éramos uma piada, mas as pessoas tinha medo de rir na nossa frente".
Charles Bukowski, Ham on Rye.

“Se uma nação crê que pode ser ignorante e livre, crê no que nunca foi e nunca será… O Povo não pode estar em segurança sem informação. Quando a Imprensa for livre e quando todos os homens souberem ler, tudo será seguro.”
Thomas Jefferson

"A história continua a mesma: quem mais reflete no Brasil, ainda é o espelho."
Claúdio Parreira

"O que os presidentes não fazem com suas esposas acabam fazendo com o país."
Mel Brooks.

"Eu sou completamente contra as drogas, por isso eu não
assisto nem ao SBT, Globo ou Record"
Marcelo Nova.

"Só ha dois fatos irreversíveis no mundo contemporâneo:
A morte e a mediocridade. Com a clonagem só restará a
mediocridade. "
Marcelo Nova.

"De cem favoritos dos reis, 95 morrem enforcados."
Napoleão Bonaparte.

"Minha visão política é a visão dos cronistas. Se ele estiverem errados, eu tô fodido."
Mauro Rasi.

"Todos dançam ou ninguém dança."
Slogan dos Tupamaros.

“O Capitalismo roubou minha virgindade.”
International Noise Conspiracy.

"Um instante de pânico converte mais gente que muitas horas de pregação."
Marcelo Lopes.

"Só sei que nada sei."
Sócrates

"Soltar bombas para tentar manter a paz é o mesmo que fazer sexo pra tentar manter a virgindade."
Professora de Sociologia da UNESP.

"O mais rico é quem se contenta com o mínimo."
Sócrates

"Nunca tive problemas com drogas. Só com a polícia."
Keith Richards

"A Liberdade é um bem tão apreciado que cada qual quer ser dono até da alheia."
Montesquieu

"Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você."
Steve Beckman

"A doença grave do Brasil é social, não econômica."
Celso Furtado, em entrevista a Revista Caros Amigos.

"O pobre que imita o rico pode ser cômico ou trágico. O rico que imita o pobre é puro humor negro."
Roberto Pompeu de Toledo, em artigo na Veja.

"O Problema dos juros é que eles só caem quando a gente não consegue mais se levantar."
José Carlos Aragão

"Poderia ser pior. Em vez de dupla, quarteto sertanejo."
José Teles

"As mulheres jamais serão iguais aos homens. Serão sempre mais gostosas."
José Teles

"Brasileiro pelado não é exibicionismo - é a situação."
Syvio Abreu

"Se você acha que a educação custa caro, tente a ignorância."
Berek Bok

Uma única ação é melhor que mil suspiros.
Rabino Shalom Dov Ber

"Fome e guerra não obedecem a qualquer lei natural - são criações humanas."
Josué de Castro, médico e geógrafo, fundador da FAO.

"O Brasil está condenado a eleger José Serra ou a mergulhar no caos."
George Soros, megaespeculador.

[compilação feita originalmente para o Zine Kaos, por Thiago Montanari e Fred Di Giacomo]

Olááááá paraquedista!

"Quando a gente não pode fazer nada, a gente avacalha"

A frase acima é do filme "O Bandido da Luz Vermelha". Não viu? Veja. E justamente avacalhando, que faço este post.

Se você é um dos paraquedistas, tome um copo de suco de maracujá, e se acalme. Não estou lhe servindo com pornografia, mas sim, com textos no mínimo medianos. Que tal dar uma olhada nos arquivos?

E para meus leitores tradicionais, desculpa a perda de tempo que você deve ter tido. Mas eu precisava testar isso, e vendo um blog amigo fazendo isso, resolvi que era a hora!

[vídeos proibidos do big brother brasil! BBB putaria! gatas famosas nuas!]

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Adeus George Carlin


Morreu um dos caras que mais admirei no ramo da comédia, mesmo que para mim, suas palavras sejam pérolas, sabedoria pura, e não simples humor.

George Carlin, que junto com Peréio, Sade, Costinha, e Bukowsky, era um dos velhos mais safados que já existiu.
George Carlin, que me ajudou a explicar para alguns os motivos pelos quais acho Aquecimento Global uma babaquice, acho a preocupação com as diferenças sociais uma forma de manipulação, acho que o cérebro é mais importante que a "alma", e tantos outros conceitos que causa revolta por parte de alguns contra mim...

...e contra George Carlin também.

Então, deixo a tradução de um de seus textos, que retirei da Taverna do Bárbaro, local que por sinal, fiquei sabendo deste triste acontecimento.

Vamos todos, brindar com whisky, e continuar rindo pra caralho (tem diversos vídeos dele no Google Video e YouTube), e pensando mais ainda, nas palavras deste gigante!

"Se alguém reparou, existe uma coisa da qual eu não reclamo: políticos.
Todos reclamam de políticos, todos dizem que eles são uns merdas.

Mas de onde vocês pensam que estes políticos vem?
Eles não caem do céu, não chegam de outra realidade.
Eles vem de parentes, famílias, casas, escolas, igrejas, empresas e universidades norte-americanas e são eleitos por cidadãos norte-americanos.

Isto é o melhor que podemos fazer, pessoal.
Isto é o que temos a oferecer.
É o que nosso sistema produz: lixo entra, lixo saí.

Se você tem cidadãos ignorantes e egoístas, você terá líderes ignorantes e egoístas.
No longo prazo isso não fará nenhum bem e você terá um bando de jovens norte-americanos ignorantes e egoístas.

Então, talvez, só talvez, não sejam bem os políticos que são uns merdas.
Talvez outra coisa seja uma merda.
Como a população.
Sim, a população é que é uma merda.

Isso é uma bela campanha para alguém, diga-se.
"A população é uma merda, foda-se a esperança".

Se tudo é culpa dos políticos, então onde estão as outras pessoas éticas e conscientes?
Onde estão estes norte-americanos, prontos para entrar de cabeça, nos liderar e salvar a nação?
Nós não temos pessoas assim nesse país!

Todos estão no shopping-center, coçando o rabo, tirando meleca do nariz, sacando o seu cartão de crédito da pochete e comprando um sanduíche que brilha no escuro.
Então eu resolví este simples dilema e no dia da eleição EU FICO EM CASA!
Eu não voto, fodam-se.

Duas razões por eu não votar.
É sem importância.

Este país já foi vendido, comprado e pago a muito tempo atrás.
Esta porcaria que eles empurram de quatro em quatro anos...
pfff...pfff...
Não significa nada.

E a segunda razão de eu não votar, é porque acredito que se você o fizer, você não tem o direito de reclamar.

As pessoas gostam de distorcer isso, eu sei, "se você não vota, você não tem o direito de reclamar".
Mas qual a lógica nisso?
Se você vota, escolhe pessoas desonestas e incompetêntes, que acabam fodendo com tudo, você é responsável pelo que aconteceu, você escolheu-as, você causou o problema, você votou neles, você é que não tem direito de reclamar.

Eu, por outro lado, que não votou, que de fato, nem deixou a própria casa no dia da eleição e não sou responsável pelo que estas pessoas fizeram, tenho todo o direito de reclamar da bagunça que eles fizeram, causada pelo que você escolheu.

Eu sei que mais tarde haverá uma daquelas "eleições presidenciais", que vocês tanto gostam e se divertem muito, e assim que elas acabarem, o seu país melhorará imediatamente.
Quanto a mim, estarei em casa, essencialmente fazendo o mesmo que você, mas quando eu acabar de me masturbar, eu pelo menos terei alguma substância para mostrar."

Agora troque norte-americanos por brasileiros e EUA por Brasil.

"Vocês já repararam que as pessoas que são contra o aborto, são pessoas que você não transaria de jeito nenhum?"

"Para efeitos práticos, a linguagem foi criada para esconder a verdade."

terça-feira, 17 de junho de 2008

Firefox 3 - Download Day 2008

Estabeleça um Recorde Mundial no Livro dos Recordes Guinness, e ganhe uma Web melhor!

"Parece um bom negócio, não acha? Tudo o que você precisa fazer para nos ajudar a estabelecer um novo recorde para o software mais baixado em 24 horas é baixá-lo agora - é fácil assim. Não estamos pedindo que você engula uma espada ou equilibre 30 colheres no rosto ao mesmo tempo - apesar de que isso seria incrível.

Por favor, baixe o Firefox 3 até às 14:00 em 18 de Junho de 2008."

http://www.mozilla.com/pt-BR/firefox?p=downloadday

[press-release da campanha por uma internet melhor, do Firefox 3. e aí, já baixou o seu? o último a baixar é mulher do padre!]

sábado, 14 de junho de 2008

Zuand nu cIiNeMA cmeuz mAnUX

Estava eu, num momento de ócio, navegando pelas comunidades de “amigos” do Orkut. Estou para me formar como profissional de comunicação, e para ser um bom comunicador, ter conhecimento do público alvo é fundamental. A mesma coisa se diz na questão “ser legal com seus conhecidos”. Eis que na página de um destes conhecidos, vejo uma comunidade que me fez pular da cadeira, olhos saltarem para fora, coração acelerar, e o sangue subir me deixando vermelho. Claro, teria sido assim literalmente, se eu fosse um desenho animado. Mas juro, foi desta forma que me senti. O indivíduo fazia parte de uma comunidade chamada: “Eu adoro bagunçar no cinema!“. Comecei uma caça então, e desde procuras por “bagunça no cinema” até “zuando no cinema“, foram diversas comunidades que unem estes %#$@&#*@ (agora sim, literalmente ao estilo desenho animado de xingar).

Me desculpem os que não me entenderem, mas odeio adolescentes no cinema. Adolescentes eu falo não no sentido biológico, físico, temporal, ou como você quiser definir. Falo de adolescentes como estado mental mesmo. Pessoas que tem necessidade de aparecer, e para isso chegam ao ponto de gastar dinheiro (que não é pouco), para ir esculhambar com a diversão de pessoas que estão ali para adivinhem o quê? Não, não estão para sexo, nem para serem narradoras do filme, nem para falar no celular. As pessoas normalmente vão ao cinema para ver filmes, mas cada vez mais, alguns seres com desejo de diferenciação, vão e fazem tudo menos isso.

Como que uma pessoa chega ao ponto de se orgulhar destas escrotidões? E o pior, se orgulhar, criar uma comunidade, onde outros vão entrar, para discutir assuntos de extrema importância, como por exemplo:

- Qual seu ponto “estratégico”
- Q Tipo de Bagunça vc faz?
- já foi expulso do Cinema? pq?

Sim, estes são exemplos de tópicos, transcritos fielmente, sem nem corrigir o Português. O mais bacana é que entrando nos tópicos, você vê que não é coisa só de brasileiro esta zorra:

“huhuuhuhuh
da ultima veiz ki foi eu i uma galerinha… nós já xegamuh cantanu ‘ UM ELEFANTI INCOMODA MTA GENTIIIIII’.. hahahahaha, dae começo os treillers.. i a genti começava a ler td im voz alta pra todu mundu.. ae qnd apareçia a cena dus kara gostosu;… nós assubiavamus mól altaum.. TODU MUNDU OLHAVA… (detalhe.. u fiume era d SUSPENSE)… ae na hr q ia acontecer alguma coisa pra levar sustu a genti começava a ri…
ASHHUaushuhAUHSHUUH
i nas part mais nada v du fiume.. qnd apareçia cenas d dia.. a gente começava
AII EU NUM VÔ V ESSA PART.. TO COM MEDU
uhasuhahushuauhsuhauh
i taméim… compramuh COCA-COLA (em latinha..)
aew toda hr q alguém abrinha uma latinha d refri a genti fazia u barulho do gás com a boka…
ahahahahhahahahaha
e algumas vezis a genti tmém fikava levantanu toda hr pra FINGI q ia arruma a calça, compra alguma coisa.. i no banheru…!
kkkkkkkkkkkkk, i usavamuh a luzinha du celular comu lanterna ainda.. nu meiu du fiume.. huuhuhuh
sort q num spulsaru a genti.. hehe “

De que país esta pessoa é (não falo o nome, pois foi postado como Anônimo), eu não sei, pois ainda não entendi qual a língua está sendo utilizada na mensagem. Se alguém souber, por favor, me avise.

Desculpem eu estar acabando o texto, sem ter chegado a uma grande conclusão, sem ter apresentado nenhuma solução, sem nem ao menos ter opinado explicitamente. Tive que dividir com vocês mais esta decepção que os seres humanos tem me causado. E eu achando que o pessoal as vezes fazia bagunça sem querer, ou sem perceber, e que no final tinham vergonha disso. O Orkut mostrou que eu estava enganado. Certo, pensei em uma solução. Para dirigir tem que ter licença, certo? Proponho que para ir ao cinema precise de licença também, incluindo aulas teóricas de comportamento, até aulas práticas de como assistir um filme de boca fechada, sem fazer barulho. Quem desobedecer as leis, vai perdendo pontos na carteira. Se insistir, perde ela, e vai ter que ficar tacando pipoca na cabeça do outros só em casa, até levar uma bronca dos familiares, com surra opcional, e aprender que CINEMA É O LUGAR ONDE SE VÊ FILME!

[texto meu, originalmente publicado no Rapadura Blog, blog do site Cinema com Rapadura]

A Infame Arte do Mi Mi Mi!

Opa! |Fly| a.k.a. Ismael Alberto Schonhorst, se apresentando como mais novo membro da equipe de colaboração do Rapadura Blog. Tudo certo com os senhores? Alguns vão me conhecer de outros locais, outros vão entrar em contato com meu estilo de escrever somente agora, mas enfim, peço permissão para trazer à tona temas calorosos, debates divertidos e matérias polêmicas, não necessariamente nesta ordem (que por sinal, é diferente da ordem que pensei antes de escrever).

Pois bem, como diria Glauber Rocha (um dos diretores pelo qual tenho amor e ódio ao mesmo tempo, tema que irei aprofundar brevemente), o assunto é cinema, cinema, cinema, o assunto é… cinema. O assunto é cinema, mas o foco que proponho hoje é subversão no cinema. O que leva as pessoas terem medo de algo que lhes faça pensar. Eu ingenuamente acreditava que nos tempos atuais, todos estavam acostumados a serem contestadas durante um filme. Vide exemplos de sucesso, mesmo que não de primeiro momento, tipo “Clube da Luta“, ou casos mais blockbusters como “Matrix“. Na minha cabeça, coisas diferentes não causavam mais receio na população geral (que curte um bom filme).

Estava enganado! Semana passada, eu organizei em minha faculdade uma mostra de cinema underground, ou brasileiramente falando, cinema “udigrudi”. Levei os diretores, para que houvesse um debate, um feedback pós-apreciação de suas obras, e coisa e tal. Falei que a presença deles não obrigava ninguém a gostar. Queria que assistissem e manifestassem sua opinião. Manifestaram bem demais. Em menos de meia hora de exibição, os mais ou menos 200 participantes que estavam lá na hora que o DVD começou a rodar, diminuíram para 30 pessoas no máximo. O conteúdo dos filmes era de um certo peso. A estética diferente do padrão hollywoodiano. As idéias apresentadas, por demais bizarras ao ver geral. Mas as pessoas nem tentaram entender, se chocaram por besteira, demonstraram uma hipocrisia, e saíram, não importando os diretores estarem presentes, dispostos a discutir e aceitar tranquilamente as críticas. Isso me lembra muito o pessoal que saia correndo das salas de cinema ao assistir “Laranja Mecânica” nos anos 70…

Mas, caso semelhante, e em maior nível, posso citar que tenha ocorrido com um filme chamado “Murder-Set-Pieces” (de 2004, mas chegou só agora ao Brasil, com um título traduzido que me recuso a citar. O Google está aí para isso, caro Padawan). Minha irmã alugou o filme, pois na capa prometia ser algo ao estilo “Jogos Mortais“, só que em doses cavalares. Resultado, ela odiou. Era o que ela esperava, só que de uma forma diferente do que imaginava. Era doses para elefantas, não para cavalos. Ela contando na mesa o quão ruim e sem sentido o filme era, me despertou interesse. Resolvi pesquisar, antes de decidir se encarava a má qualidade que ela alertava. Descobri que o filme tinha passado pelo tribunal da inquisição, ministrado por milhares de internautas que haviam odiado o filme. Fui mais a fundo, e parei em sites mais “confiáveis”, e acabei achando algumas opiniões favoráveis a ele, sempre citando o quão mega subestimado o filme estava sendo. Pronto, resolvi ver…

E o filme é bom! Não é ruim, nem ótimo. Até eu diria que é um bom em nível quase caindo para o regular. Mas não é a qualidade dele, como filme, que me chamou a atenção. Ele a princípio, é besta, sem história, Sem sentindo, com crueldade na mais crua forma. Mas se você assistir ele com a mente aberta, lendo nas entrelinhas, acaba descobrindo o potencial do filme. Ao estilo “Violência Gratuita“, do mestre Michael Haneke, o filme é uma piada com quem está assistindo. Ele olha nos seus olhos, bem fundo, e diz; “Alugou o filme querendo carnificina, não é? ENTÃO TOMA!“. Em uma cena que adorei, o personagem principal vai a uma locadora de filmes pornôs, e pede o filme “The Nutbag“, que para constar, é o primeiro filme do diretor de “Murder-Set-Pieces“. A realidade dentro de um filme, ou um filme que mostra a outra realidade, a do cinema. A sacada é que o tal filme, é no mesmo estilo do que você está assistindo, um longa de Violência x Violência. Ou seja, ele mesmo mostrou que as pessoas buscam filmes sangrentos hoje em dia, querem um pornô de bestialidades sádicas. Mas a coisa complica quando no meio do filme, acabam dando de cara com uma crítica a elas mesmas. Quando batem os olhos na ridicularização. Quando se encaram com a já citada subversão de valores. Você é um monstro, o filme te diz. E você não gosta, e sai por aí criticando pela internet, seu refúgio, seu Éden. Onde você mostra que tem “culhões” de detonar os filmes.

Mas quando você encara esta mesma situação, e se tivesse a chance de retrucar, na cara dela, você escaparia, jogaria fora a chance. Pois você tem medo de se ver realmente contestado perante um filme, um espetáculo. Cinema é diversão sim, mas também é educação, é protesto, e é “senta aí que vou te mostrar o quão tosco é sua vida”.

Viva para os fortes que ficaram até o final da mostra. Viva para os sábios que sabem ler as entrelinhas. Viva para os bravos que recebem a porrada, levantam, e dão outra em troca. Viva o cinema transgressor, de contracultura, e o cinema “udigrudi” nacional e underground mundial (não necessariamente de revolução).

[texto meu, originalmente publicado no Rapadura Blog, blog do site Cinema com Rapadura]

sábado, 7 de junho de 2008