terça-feira, 2 de dezembro de 2008

"Pense diferente" Manifesto Apple.

Isto é para os loucos.

Os desajustados.

Os rebeldes.

Os criadores de problemas.

As pecinhas redondas em buracos quadrados.

Aqueles que enxergam as coisas diferente.


Eles não se importam com as regras.

E eles não tem respeito pelo status quo.


Você pode elogiar eles, discordar com eles, citar eles,

não acreditar neles, glorificar ou difamar eles.

Mas a única coisa que você não pode fazer, é ignora eles.

Porque eles mudam as coisas.



Eles inventam. Eles imaginam. Eles curam.

Eles exploram. Eles criam. Eles inspiram.

Eles empurram a raça humana pra frente.


Talvez eles tenham que ser loucos.

Como mais você pode encarar uma tela vazia e ver uma obra de arte?
Ou, sentar em silêncio e ouvir uma canção que nunca foi escrita?
Ou, observar a um planeta vermelho e ver um laboratório sob rodas?

Nós fazemos ferramentas para este tipo de pessoa.



Enquanto alguns podem ver eles como loucos,
nós vemos gênios.

Porque os que são loucos o suficiente para pensar
que podem mudar o mundo, são os que o fazem.

domingo, 30 de novembro de 2008

RapaduraCast #105 - Duelo: A Bruxa de Blair x Cloverfield x [REC]


Sou viciado em podcasts, isso é um fato. Ouço toda semana pelo menos o podcast do Kevin Smith (SModcast), o NerdCast, e o RapaduraCast. Ultimamente tenho adicionado nesta lista também o Monacast e o GuanaCast. Ahn, como estou esquecendo do podcast do Séries Etc.? Por último, temos os dois podcasts que saem sem data certa, mas vale a pena ficar de olho, PapoTech e RadarPOP. Citei somente um Internacional, pois é o que mais vale a pena. Mas procure que tem outros. Resolvi fazer esta lista para não ser injusto fazendo spam para vender o meu peixe. Motivo? Estou no RapaduraCast desta semana. Fui convidado para bater um papo divertido sobre A Bruxa de Blair, Cloverfield, e [REC]. Se curtes podcasts já, corre e ouve, que está excelente! Se não conhece, sempre existe uma primeira vez, né? Espero que gostem tanto quanto eu gostei de gravar com aquele pessoal doido do Cinema com Rapadura, heh!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Um convite contra o XDR-TB

Olá pessoal. Hoje me deparei no YouTube com um vídeo que achei muito interessante, relacionado a um projeto de contenção a uma das variáveis da tuberculose. Foi apresentado por um fotógrafo, e pensei que poderia ser de interesse dos meus (raros) leitores. As imagens são poderosas, e tem seus motivos. Espero que o máximo de pessoas entrem em contato com a mensagem por trás deste vídeo que estou recomendando, e se motivem, nem que seja a pensar sobre esta situação.

Se gostarem da proposta, divulguem também. Informação é o primeiro passado para curar esta doença (e num nível mais abstrato, informação é o primeiro passo para curar todas as doenças da humanidade, patológicas, ou de fundos mais filosóficos). Acessem por este site, pois tem numa melhor visualização o vídeo que achei no YouTube XDRTB.ORG (http://www.xdrtb.org/)

As fotografias foram tiradas pelo fotojornalista James Nachtwey, em mais de 50 cidades nos 7 continenetes, com o objetivo de revelar ao mundo um panorama sobre este perigo que já enfrentamos.

Obrigado para quem leu até aqui.

(O vídeo está disponível para visualização abaixo, para quem preferir ver direto na versão do YouTube. Mas como eu disse, depois dele, acessar o site continua sendo uma ótima idéia, principalmente para ajudar na divulgação também)

sábado, 4 de outubro de 2008

O Dragão Na Minha Garagem - Carl Sagan

- Um dragão que cospe fogo pelas ventas vive na minha garagem.

Suponhamos que eu lhe faça seriamente essa afirmação. Com certeza você iria querer verificá-la, ver por si mesmo. São inumeráveis as histórias de dragões no decorrer dos séculos, mas não há evidências reais. Que oportunidade!

- Mostre-me – você diz. Eu o levo até a minha garagem. Você olha para dentro e vê uma escada de mão, latas de tinta vazias, um velho triciclo, mas nada de dragão.

- Onde está o dragão? – você pergunta

- Oh, está ali – respondo, acenando vagamente. – Esqueci de lhe dizer que é um dragão invisível.

Você propõe espalhar farinha no chão da garagem para tornar visíveis as pegadas do dragão

- Boa idéia – digo eu –, mas esse dragão flutua no ar.

Então, você quer usar um sensor infravermelho para detectar o fogo invisível.

- Boa idéia, mas o fogo invisível é também desprovido de calor.

Você quer borrifar o dragão com tinta para torná-lo visível.

- Boa idéia, só que é um dragão incorpóreo e a tinta não vai aderir.

E assim por diante. Eu me oponho a todo teste físico que você propõe com uma explicação especial de por que não vai funcionar.

Qual a diferença entre um dragão invisível, incorpóreo, flutuante, que cospe fogo atérmico, e um dragão inexistente? Se não há como refutar a minha afirmação, se nenhum experimento concebível vale contra ela, o que significa dizer que o meu dragão existe? A sua incapacidade de invalidar a minha hipótese não é absolutamente a mesma coisa que provar a veracidade dela. Alegações que não podem ser testadas, afirmações imunes a refutações não possuem caráter verídico, seja qual for o valor que possam ter por nos inspirar ou estimular nosso sentimento de admiração. O que eu estou pedindo a você é tão somente que, em face da ausência de evidências, acredite na minha palavra.


Extraído do livro de Carl Sagan: "O Mundo Assombrado por Demônios - a ciência vista como uma vela no escuro" - Companhia das Letras

domingo, 28 de setembro de 2008

Sob uma insatisfação constante

Meus posts tem data de validade para mim. Mesmo os que escrevo, e penso "Pata que paréu", não passam de 1 mês de validade. É por isso que eu me vejo na obrigação de escrever algo aqui pelo menos uma vez por mês (já no meu caderno de bolso, não passo 24 horas sem rabiscar algo de novo, e daí, com um prazo de validade bem maior). Este post é isso, validade do anterior vencida, então estou me sentindo na obrigação de escrever qualquer besteira, e este "qualquer besteira" se materializou literalmente, motivo pelo qual este post deverá ter uma validade reduzida pela metade, isso quando muito! E você, se sente mais ou menos idiota por ter perdido seu tempo lendo isso tudo o que acabei de falar?

sábado, 30 de agosto de 2008

Aquele sobre a "Calculadora Sexual"

Estava eu navegando na internet, já que não tinha merda nenhuma para fazer, e achei um destes sites astrológicos. Sempre achei a maior besteira, mas como estava sem ter o que fazer, resolvi dar uma chance. Clico aqui, abro página ali, e caio numa tal de "Calculadora Sexual".
As instruções eram claras, você colocava o seu nome no primeiro campo em branco, e o nome algum/a parceiro/a sexual seu no segundo campo em branco, juntamente com as respectivas datas de nascimento. Resolvi testar, mal não iria causar, certo? Em último caso, se a decepção fosse grande, era só ignorar. E como se prevendo, a decepção foi grande, mas com o site. O resultado foi improvável, para não dizer que não passou de uma falácia sem tamanho, vejam só, dizer que eu e "Minha Mão Direita" não somos compatível.
Analisem comigo, eu nasci dia 24 de Maio de 1988, "Minha Mão Direita" nasceu dia 24 de Maio de 1988, e foi isso que coloquei aonde perguntava estas informações. Não é que o site disse que somos incompatíveis? Como assim? Minha mão me entende super bem. Sabe da hora que estou precisando de um cafuné. Está sempre pronta para o der e vier. Me dou super bem com ela, então como dizer o contrário? Com um pouco de gel ela faz milagres por mim. E vejam só, ela ainda me ajuda a prevenir o câncer de próstata. Quer relacionamento mais saudável?!
De hoje em diante, nunca mais perco meu tempo com estes sites. Posso investir navegando por sites mais úteis para mim (e para a minha mão).

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Diálogos de uma noite de inverno


1.
- Fly, você é indecente!
- E você é mal comida!
- Meu namorado é muito bom tá.
- A secretária dele também te contou isso?

2.
- Picasso?
- Olha, nunca medi. Mas, tamanho importa?

3.
- Criativa a imagem, onde tem mais deste tipo?
- www.clubedasmulheres.com.br

4.
- Sabia que quando ficas divulgando estas coisas, é pecado, né?
- Sabia que quando ficas chupando estas coisas, é pecado, né?

5.
- E o bambu?

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Frases

"É tão fácil ser poeta, e tão difícil ser um homem".
Charles Bukowski.

"Tudo que peço da vida é um punhado de livros, um punhado de sonhos e um punhado de vulvas".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"Até as piores pessoas praticam ao menos uma boa ação na vida. Hitler suicidou-se."
Manuel Lachtermacher

"O pior inimigo do cinema é a indústria"
Jean Renoir.

"Quem não quer matar seu pai?"
Dostoiéviski, Os irmãos Karamazov.

"O cinema é o meio mais direto de entrar em competição com Deus."
Federico Felline

"Se meus filmes não dão lucro, sei que estou fazendo a coisa certa."
Woody Allen

"Um artista está sempre sozinho, se é artista".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"As convicções são cárceres."
F. Nietzsche, O Anti-Cristo.

"A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer."
Mario Quintana

"Minha mãe não pariu nenhum punk, no entanto aqui estou eu"
Fred 04

“Música não é política, mas traz em si a idéia de liberdade".
Lou Reed

"Sou um artista assalariado, obrigado a interpretar toda noite uma farsa intelectual sob seus estúpidos narizes".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

"Alguns nascem póstumos".
F. Nietzsche, O Anti-Cristo.

"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor.Que tem que ser vivido até a última gota.Sem nenhum medo. Não mata."
Clarice Lispector

"E bom ter sempre dois advogados á disposição... um pra livrar a gente do outro."
Alfred E. Neuman.

"Seria responsável somente perante a Deus, se Ele existisse".
Henry Miller, Trópico de Câncer.

" Eu era como um lixo que atraía moscas, em vez de uma flor desejada por borboletas e abelhas."
Charles Bukowski, Ham on Rye.

"Nunca me ensinaram a arte da solidão, tive de aprendê-la sozinho. Ela se tornou tão necessária para mim quanto Beatles, tanto quanto beijos na nuca e carinho".
Intimidade, de Hanif Kureishi

"Éramos uma piada, mas as pessoas tinha medo de rir na nossa frente".
Charles Bukowski, Ham on Rye.

“Se uma nação crê que pode ser ignorante e livre, crê no que nunca foi e nunca será… O Povo não pode estar em segurança sem informação. Quando a Imprensa for livre e quando todos os homens souberem ler, tudo será seguro.”
Thomas Jefferson

"A história continua a mesma: quem mais reflete no Brasil, ainda é o espelho."
Claúdio Parreira

"O que os presidentes não fazem com suas esposas acabam fazendo com o país."
Mel Brooks.

"Eu sou completamente contra as drogas, por isso eu não
assisto nem ao SBT, Globo ou Record"
Marcelo Nova.

"Só ha dois fatos irreversíveis no mundo contemporâneo:
A morte e a mediocridade. Com a clonagem só restará a
mediocridade. "
Marcelo Nova.

"De cem favoritos dos reis, 95 morrem enforcados."
Napoleão Bonaparte.

"Minha visão política é a visão dos cronistas. Se ele estiverem errados, eu tô fodido."
Mauro Rasi.

"Todos dançam ou ninguém dança."
Slogan dos Tupamaros.

“O Capitalismo roubou minha virgindade.”
International Noise Conspiracy.

"Um instante de pânico converte mais gente que muitas horas de pregação."
Marcelo Lopes.

"Só sei que nada sei."
Sócrates

"Soltar bombas para tentar manter a paz é o mesmo que fazer sexo pra tentar manter a virgindade."
Professora de Sociologia da UNESP.

"O mais rico é quem se contenta com o mínimo."
Sócrates

"Nunca tive problemas com drogas. Só com a polícia."
Keith Richards

"A Liberdade é um bem tão apreciado que cada qual quer ser dono até da alheia."
Montesquieu

"Você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você."
Steve Beckman

"A doença grave do Brasil é social, não econômica."
Celso Furtado, em entrevista a Revista Caros Amigos.

"O pobre que imita o rico pode ser cômico ou trágico. O rico que imita o pobre é puro humor negro."
Roberto Pompeu de Toledo, em artigo na Veja.

"O Problema dos juros é que eles só caem quando a gente não consegue mais se levantar."
José Carlos Aragão

"Poderia ser pior. Em vez de dupla, quarteto sertanejo."
José Teles

"As mulheres jamais serão iguais aos homens. Serão sempre mais gostosas."
José Teles

"Brasileiro pelado não é exibicionismo - é a situação."
Syvio Abreu

"Se você acha que a educação custa caro, tente a ignorância."
Berek Bok

Uma única ação é melhor que mil suspiros.
Rabino Shalom Dov Ber

"Fome e guerra não obedecem a qualquer lei natural - são criações humanas."
Josué de Castro, médico e geógrafo, fundador da FAO.

"O Brasil está condenado a eleger José Serra ou a mergulhar no caos."
George Soros, megaespeculador.

[compilação feita originalmente para o Zine Kaos, por Thiago Montanari e Fred Di Giacomo]

Olááááá paraquedista!

"Quando a gente não pode fazer nada, a gente avacalha"

A frase acima é do filme "O Bandido da Luz Vermelha". Não viu? Veja. E justamente avacalhando, que faço este post.

Se você é um dos paraquedistas, tome um copo de suco de maracujá, e se acalme. Não estou lhe servindo com pornografia, mas sim, com textos no mínimo medianos. Que tal dar uma olhada nos arquivos?

E para meus leitores tradicionais, desculpa a perda de tempo que você deve ter tido. Mas eu precisava testar isso, e vendo um blog amigo fazendo isso, resolvi que era a hora!

[vídeos proibidos do big brother brasil! BBB putaria! gatas famosas nuas!]

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Adeus George Carlin


Morreu um dos caras que mais admirei no ramo da comédia, mesmo que para mim, suas palavras sejam pérolas, sabedoria pura, e não simples humor.

George Carlin, que junto com Peréio, Sade, Costinha, e Bukowsky, era um dos velhos mais safados que já existiu.
George Carlin, que me ajudou a explicar para alguns os motivos pelos quais acho Aquecimento Global uma babaquice, acho a preocupação com as diferenças sociais uma forma de manipulação, acho que o cérebro é mais importante que a "alma", e tantos outros conceitos que causa revolta por parte de alguns contra mim...

...e contra George Carlin também.

Então, deixo a tradução de um de seus textos, que retirei da Taverna do Bárbaro, local que por sinal, fiquei sabendo deste triste acontecimento.

Vamos todos, brindar com whisky, e continuar rindo pra caralho (tem diversos vídeos dele no Google Video e YouTube), e pensando mais ainda, nas palavras deste gigante!

"Se alguém reparou, existe uma coisa da qual eu não reclamo: políticos.
Todos reclamam de políticos, todos dizem que eles são uns merdas.

Mas de onde vocês pensam que estes políticos vem?
Eles não caem do céu, não chegam de outra realidade.
Eles vem de parentes, famílias, casas, escolas, igrejas, empresas e universidades norte-americanas e são eleitos por cidadãos norte-americanos.

Isto é o melhor que podemos fazer, pessoal.
Isto é o que temos a oferecer.
É o que nosso sistema produz: lixo entra, lixo saí.

Se você tem cidadãos ignorantes e egoístas, você terá líderes ignorantes e egoístas.
No longo prazo isso não fará nenhum bem e você terá um bando de jovens norte-americanos ignorantes e egoístas.

Então, talvez, só talvez, não sejam bem os políticos que são uns merdas.
Talvez outra coisa seja uma merda.
Como a população.
Sim, a população é que é uma merda.

Isso é uma bela campanha para alguém, diga-se.
"A população é uma merda, foda-se a esperança".

Se tudo é culpa dos políticos, então onde estão as outras pessoas éticas e conscientes?
Onde estão estes norte-americanos, prontos para entrar de cabeça, nos liderar e salvar a nação?
Nós não temos pessoas assim nesse país!

Todos estão no shopping-center, coçando o rabo, tirando meleca do nariz, sacando o seu cartão de crédito da pochete e comprando um sanduíche que brilha no escuro.
Então eu resolví este simples dilema e no dia da eleição EU FICO EM CASA!
Eu não voto, fodam-se.

Duas razões por eu não votar.
É sem importância.

Este país já foi vendido, comprado e pago a muito tempo atrás.
Esta porcaria que eles empurram de quatro em quatro anos...
pfff...pfff...
Não significa nada.

E a segunda razão de eu não votar, é porque acredito que se você o fizer, você não tem o direito de reclamar.

As pessoas gostam de distorcer isso, eu sei, "se você não vota, você não tem o direito de reclamar".
Mas qual a lógica nisso?
Se você vota, escolhe pessoas desonestas e incompetêntes, que acabam fodendo com tudo, você é responsável pelo que aconteceu, você escolheu-as, você causou o problema, você votou neles, você é que não tem direito de reclamar.

Eu, por outro lado, que não votou, que de fato, nem deixou a própria casa no dia da eleição e não sou responsável pelo que estas pessoas fizeram, tenho todo o direito de reclamar da bagunça que eles fizeram, causada pelo que você escolheu.

Eu sei que mais tarde haverá uma daquelas "eleições presidenciais", que vocês tanto gostam e se divertem muito, e assim que elas acabarem, o seu país melhorará imediatamente.
Quanto a mim, estarei em casa, essencialmente fazendo o mesmo que você, mas quando eu acabar de me masturbar, eu pelo menos terei alguma substância para mostrar."

Agora troque norte-americanos por brasileiros e EUA por Brasil.

"Vocês já repararam que as pessoas que são contra o aborto, são pessoas que você não transaria de jeito nenhum?"

"Para efeitos práticos, a linguagem foi criada para esconder a verdade."

terça-feira, 17 de junho de 2008

Firefox 3 - Download Day 2008

Estabeleça um Recorde Mundial no Livro dos Recordes Guinness, e ganhe uma Web melhor!

"Parece um bom negócio, não acha? Tudo o que você precisa fazer para nos ajudar a estabelecer um novo recorde para o software mais baixado em 24 horas é baixá-lo agora - é fácil assim. Não estamos pedindo que você engula uma espada ou equilibre 30 colheres no rosto ao mesmo tempo - apesar de que isso seria incrível.

Por favor, baixe o Firefox 3 até às 14:00 em 18 de Junho de 2008."

http://www.mozilla.com/pt-BR/firefox?p=downloadday

[press-release da campanha por uma internet melhor, do Firefox 3. e aí, já baixou o seu? o último a baixar é mulher do padre!]

sábado, 14 de junho de 2008

Zuand nu cIiNeMA cmeuz mAnUX

Estava eu, num momento de ócio, navegando pelas comunidades de “amigos” do Orkut. Estou para me formar como profissional de comunicação, e para ser um bom comunicador, ter conhecimento do público alvo é fundamental. A mesma coisa se diz na questão “ser legal com seus conhecidos”. Eis que na página de um destes conhecidos, vejo uma comunidade que me fez pular da cadeira, olhos saltarem para fora, coração acelerar, e o sangue subir me deixando vermelho. Claro, teria sido assim literalmente, se eu fosse um desenho animado. Mas juro, foi desta forma que me senti. O indivíduo fazia parte de uma comunidade chamada: “Eu adoro bagunçar no cinema!“. Comecei uma caça então, e desde procuras por “bagunça no cinema” até “zuando no cinema“, foram diversas comunidades que unem estes %#$@&#*@ (agora sim, literalmente ao estilo desenho animado de xingar).

Me desculpem os que não me entenderem, mas odeio adolescentes no cinema. Adolescentes eu falo não no sentido biológico, físico, temporal, ou como você quiser definir. Falo de adolescentes como estado mental mesmo. Pessoas que tem necessidade de aparecer, e para isso chegam ao ponto de gastar dinheiro (que não é pouco), para ir esculhambar com a diversão de pessoas que estão ali para adivinhem o quê? Não, não estão para sexo, nem para serem narradoras do filme, nem para falar no celular. As pessoas normalmente vão ao cinema para ver filmes, mas cada vez mais, alguns seres com desejo de diferenciação, vão e fazem tudo menos isso.

Como que uma pessoa chega ao ponto de se orgulhar destas escrotidões? E o pior, se orgulhar, criar uma comunidade, onde outros vão entrar, para discutir assuntos de extrema importância, como por exemplo:

- Qual seu ponto “estratégico”
- Q Tipo de Bagunça vc faz?
- já foi expulso do Cinema? pq?

Sim, estes são exemplos de tópicos, transcritos fielmente, sem nem corrigir o Português. O mais bacana é que entrando nos tópicos, você vê que não é coisa só de brasileiro esta zorra:

“huhuuhuhuh
da ultima veiz ki foi eu i uma galerinha… nós já xegamuh cantanu ‘ UM ELEFANTI INCOMODA MTA GENTIIIIII’.. hahahahaha, dae começo os treillers.. i a genti começava a ler td im voz alta pra todu mundu.. ae qnd apareçia a cena dus kara gostosu;… nós assubiavamus mól altaum.. TODU MUNDU OLHAVA… (detalhe.. u fiume era d SUSPENSE)… ae na hr q ia acontecer alguma coisa pra levar sustu a genti começava a ri…
ASHHUaushuhAUHSHUUH
i nas part mais nada v du fiume.. qnd apareçia cenas d dia.. a gente começava
AII EU NUM VÔ V ESSA PART.. TO COM MEDU
uhasuhahushuauhsuhauh
i taméim… compramuh COCA-COLA (em latinha..)
aew toda hr q alguém abrinha uma latinha d refri a genti fazia u barulho do gás com a boka…
ahahahahhahahahaha
e algumas vezis a genti tmém fikava levantanu toda hr pra FINGI q ia arruma a calça, compra alguma coisa.. i no banheru…!
kkkkkkkkkkkkk, i usavamuh a luzinha du celular comu lanterna ainda.. nu meiu du fiume.. huuhuhuh
sort q num spulsaru a genti.. hehe “

De que país esta pessoa é (não falo o nome, pois foi postado como Anônimo), eu não sei, pois ainda não entendi qual a língua está sendo utilizada na mensagem. Se alguém souber, por favor, me avise.

Desculpem eu estar acabando o texto, sem ter chegado a uma grande conclusão, sem ter apresentado nenhuma solução, sem nem ao menos ter opinado explicitamente. Tive que dividir com vocês mais esta decepção que os seres humanos tem me causado. E eu achando que o pessoal as vezes fazia bagunça sem querer, ou sem perceber, e que no final tinham vergonha disso. O Orkut mostrou que eu estava enganado. Certo, pensei em uma solução. Para dirigir tem que ter licença, certo? Proponho que para ir ao cinema precise de licença também, incluindo aulas teóricas de comportamento, até aulas práticas de como assistir um filme de boca fechada, sem fazer barulho. Quem desobedecer as leis, vai perdendo pontos na carteira. Se insistir, perde ela, e vai ter que ficar tacando pipoca na cabeça do outros só em casa, até levar uma bronca dos familiares, com surra opcional, e aprender que CINEMA É O LUGAR ONDE SE VÊ FILME!

[texto meu, originalmente publicado no Rapadura Blog, blog do site Cinema com Rapadura]

A Infame Arte do Mi Mi Mi!

Opa! |Fly| a.k.a. Ismael Alberto Schonhorst, se apresentando como mais novo membro da equipe de colaboração do Rapadura Blog. Tudo certo com os senhores? Alguns vão me conhecer de outros locais, outros vão entrar em contato com meu estilo de escrever somente agora, mas enfim, peço permissão para trazer à tona temas calorosos, debates divertidos e matérias polêmicas, não necessariamente nesta ordem (que por sinal, é diferente da ordem que pensei antes de escrever).

Pois bem, como diria Glauber Rocha (um dos diretores pelo qual tenho amor e ódio ao mesmo tempo, tema que irei aprofundar brevemente), o assunto é cinema, cinema, cinema, o assunto é… cinema. O assunto é cinema, mas o foco que proponho hoje é subversão no cinema. O que leva as pessoas terem medo de algo que lhes faça pensar. Eu ingenuamente acreditava que nos tempos atuais, todos estavam acostumados a serem contestadas durante um filme. Vide exemplos de sucesso, mesmo que não de primeiro momento, tipo “Clube da Luta“, ou casos mais blockbusters como “Matrix“. Na minha cabeça, coisas diferentes não causavam mais receio na população geral (que curte um bom filme).

Estava enganado! Semana passada, eu organizei em minha faculdade uma mostra de cinema underground, ou brasileiramente falando, cinema “udigrudi”. Levei os diretores, para que houvesse um debate, um feedback pós-apreciação de suas obras, e coisa e tal. Falei que a presença deles não obrigava ninguém a gostar. Queria que assistissem e manifestassem sua opinião. Manifestaram bem demais. Em menos de meia hora de exibição, os mais ou menos 200 participantes que estavam lá na hora que o DVD começou a rodar, diminuíram para 30 pessoas no máximo. O conteúdo dos filmes era de um certo peso. A estética diferente do padrão hollywoodiano. As idéias apresentadas, por demais bizarras ao ver geral. Mas as pessoas nem tentaram entender, se chocaram por besteira, demonstraram uma hipocrisia, e saíram, não importando os diretores estarem presentes, dispostos a discutir e aceitar tranquilamente as críticas. Isso me lembra muito o pessoal que saia correndo das salas de cinema ao assistir “Laranja Mecânica” nos anos 70…

Mas, caso semelhante, e em maior nível, posso citar que tenha ocorrido com um filme chamado “Murder-Set-Pieces” (de 2004, mas chegou só agora ao Brasil, com um título traduzido que me recuso a citar. O Google está aí para isso, caro Padawan). Minha irmã alugou o filme, pois na capa prometia ser algo ao estilo “Jogos Mortais“, só que em doses cavalares. Resultado, ela odiou. Era o que ela esperava, só que de uma forma diferente do que imaginava. Era doses para elefantas, não para cavalos. Ela contando na mesa o quão ruim e sem sentido o filme era, me despertou interesse. Resolvi pesquisar, antes de decidir se encarava a má qualidade que ela alertava. Descobri que o filme tinha passado pelo tribunal da inquisição, ministrado por milhares de internautas que haviam odiado o filme. Fui mais a fundo, e parei em sites mais “confiáveis”, e acabei achando algumas opiniões favoráveis a ele, sempre citando o quão mega subestimado o filme estava sendo. Pronto, resolvi ver…

E o filme é bom! Não é ruim, nem ótimo. Até eu diria que é um bom em nível quase caindo para o regular. Mas não é a qualidade dele, como filme, que me chamou a atenção. Ele a princípio, é besta, sem história, Sem sentindo, com crueldade na mais crua forma. Mas se você assistir ele com a mente aberta, lendo nas entrelinhas, acaba descobrindo o potencial do filme. Ao estilo “Violência Gratuita“, do mestre Michael Haneke, o filme é uma piada com quem está assistindo. Ele olha nos seus olhos, bem fundo, e diz; “Alugou o filme querendo carnificina, não é? ENTÃO TOMA!“. Em uma cena que adorei, o personagem principal vai a uma locadora de filmes pornôs, e pede o filme “The Nutbag“, que para constar, é o primeiro filme do diretor de “Murder-Set-Pieces“. A realidade dentro de um filme, ou um filme que mostra a outra realidade, a do cinema. A sacada é que o tal filme, é no mesmo estilo do que você está assistindo, um longa de Violência x Violência. Ou seja, ele mesmo mostrou que as pessoas buscam filmes sangrentos hoje em dia, querem um pornô de bestialidades sádicas. Mas a coisa complica quando no meio do filme, acabam dando de cara com uma crítica a elas mesmas. Quando batem os olhos na ridicularização. Quando se encaram com a já citada subversão de valores. Você é um monstro, o filme te diz. E você não gosta, e sai por aí criticando pela internet, seu refúgio, seu Éden. Onde você mostra que tem “culhões” de detonar os filmes.

Mas quando você encara esta mesma situação, e se tivesse a chance de retrucar, na cara dela, você escaparia, jogaria fora a chance. Pois você tem medo de se ver realmente contestado perante um filme, um espetáculo. Cinema é diversão sim, mas também é educação, é protesto, e é “senta aí que vou te mostrar o quão tosco é sua vida”.

Viva para os fortes que ficaram até o final da mostra. Viva para os sábios que sabem ler as entrelinhas. Viva para os bravos que recebem a porrada, levantam, e dão outra em troca. Viva o cinema transgressor, de contracultura, e o cinema “udigrudi” nacional e underground mundial (não necessariamente de revolução).

[texto meu, originalmente publicado no Rapadura Blog, blog do site Cinema com Rapadura]

sábado, 7 de junho de 2008

sábado, 31 de maio de 2008

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Recorde Mundial do Firefox!

Ajude-nos a estabelecer um novo recorde mundial para o software mais baixado em 24 horas, através de um evento global conhecido como Download Day. Aqui está como você pode ajudar: organize uma festa para fazer o download do Firefox - você traz as pessoas e nós damos brindes para festa; Divulgue a tentativa de recorde – chame seus amigos, vizinhos, sua avó, e todo mundo que você conhece para participar do Download Day. Você também colocar um botão do Download no seu blog, perfil ou website.

Mais importante de tudo: vá ao site do Download Day e confirme sua participação para baixar o Firefox 3 e nos ajudar a estabelecer um novo recorde. Confirmando sua participação, você receberá um email com um lembrete para baixar o Firefox 3 no dia em que for lançado. Com sua ajuda a comunidade do Firefox pode se tornar parte da história.

Para mais informações veja:
Download Day: http://www.spreadfirefox.com/pt-BR/world

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Mr. Piadinhas

[Guo_Si] Hey, you know what sucks?
[TheXPhial] vaccuums
[Guo_Si] Hey, you know what sucks in a metaphorical sense?
[TheXPhial] black holes
[Guo_Si] Hey, you know what just isn't cool?
[TheXPhial] lava?

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Mostra Gurcius Gewdner/Petter Baiestorf

Opa, divulgando uma mostra única de cinema undeground/gore que estou organizando aqui em SC.

Então, dia 25 de Abril de 2008, esta Sexta, 8 da manhã no horário oficial de Brasília, faculdade Estácio de Sá SC (www.sc.estacio.br), em São José, mais especificamente em Barreiros.

Mamilos em Chamas (Lançamento Nacional do novo filme do Gurcius) + Gore Gore Gays (Filme Extremo Raro do Petter) + Debate Caloroso com os diretores

A entrada é que nem a zona de Manaus, franca.

Informações + Hora Certa + Previsão do Tempo + Adivinhação do Futuro (serviço cobrado) no celular 99194289. Falar comigo mesmo.

Para quem não conhece, eles são os donos da Canibal Filmes e Bulhorgia Produções, empresas que estão tendo mega destaque aqui no Sul, e já estão com projeções para fora do país, com futuro lançamento de alguns filmes pela Troma nos EUA, e uma produtora independente na Europa.

Cinema udigrúdi feito com culhões, usando a estética Kanibaru. Mais informações sobre eles nos sites abaixo:

www.canibalfilmes.bulhorgia.com.br
www.bulhorgia.com.br

SNSSSN apresenta... Mostra de Cinema Udigrudi

Gostaria de conhecer uma espécie diferente de cinema? E que tal uma espécie de contravenção brasileira que tenta destruir o modo hollywoodiano de fazer filmes? Essa é a proposta da Mostra de Cinema Udigrudi que ocorrerá sexta-feira, dia 25 de abril, na Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina, às 8 da manhã. Durante a mostra serão apresentados os filmes Mamilos em Chamas, de Gurcius Gewdner, e Gore Gore Gays, de Petter Baiestorf. A entrada é franca e qualquer necessidade, pode contatar o organizador e aluno da 5ª Fase de Publicidade & Propaganda Ismael Alberto Schonhorst pelo telefone 99194289. Mais informações, dê uma olhada no blog Nem Cult Nem Pop.

Para ajudar a divulgar a mostra, o Fly, também conhecido por Ismael, deu uma entrevista ao Sem Nome, Sem Sentido, Sem Noção contando um pouco da mostra, do tipo de cinema que eles estão representando e dos filmes que serão apresentados, assim como seus autores.

Antônio Henrique: Qual a proposta da mostra? De onde surgiu a idéia?
Ismael Alberto a.k.a. Fly: Pois então. Cinema no Brasil para dar certo, ou tu consegue verba com o governo, ou tu consegue verba com grandes empresas. Em ambos os casos você tem sua mente castrada, pois acabas tendo que entrar no "sistema". Acho bacana que em alguns casos, poucos, cineastas independentes consigam um destaque, seja aqui, ou no exterior. Quis ajudar mais ainda estes dois diretores da mostra, pois vejo MUITO potencial criativo nos filmes que eles fazem, usando o método Kanibaru Sinema, ou seja, filmes feitos com culhões, no método faça você mesmo. É quase um método punk moderno de se fazer filmes, e levar suas idéias. Daí veio a oportunidade de levar eles para a Estácio, e acabou crescendo e virando esta mostra. A proposta é justamente apresentar esta estética deles, e dar uma chance para as idéias dos caras atingirem um público universitário, e que espero, esteja sedento de curiosidade e indagação, ainda mais depois de serem atingidos pelo conteúdo subversivo dos filmes.

AH: O teor dos filmes não é de fácil aceitação ou apreciação. Você vê isso como um bloqueio na hora do patrocínio ou até mesmo da exibição?
Fly: Acho que isso é um problema geral, não só de quem faz filmes de teor forte. Mas sim, existe um certo problema, pois enquanto a maioria se adapta, quando você quer preservar toda a idéia por trás do filme, cortes e alterações acabam sendo quase um tabu. Uma dica que o Petter pegou de seu ídolo, Lloyd Kaufman, presidente da famosa produtora independente dos EUA, a Troma, é de assistir os filmes tentando se libertarem de seus próprios preconceitos. Se você assiste com a mente aberta, a apreciação acaba não sendo nenhum problema. Eu faria um comparativo com o lançamento de Laranja Mecânica no começo dos anos 70. Aquilo foi um espanto para o pessoal na época, já hoje em dia, é visto como uma obra de arte, e com certeza, além de seu tempo. Não quero ser pretensiodo, mas quem sabe um dia os filmes da Canibal e da Bulhorgia não sejam vistos assim? Nunca se sabe, o José Mojica Marins (Zé do Caixão) está aí não me deixando mentir. Digamos que estes filmes tem mercado muito amplo, e saber onde apresentar, principalmente na hora de distribuir, é o caminho. Não é para menos que lá fora estão já considerando alguns filmes deles geniais, principalmente em festivais e grandes mostras.

AH: Qual a relevância dos diretores escolhidos e suas obras?
Fly: Digamos que muitas pessoas resolveram deixar de preguiça, e expor suas idéias sem medo, depois de verem um filme do Petter, ou do Gurcius. Eu mesmo ao entrar em contato com a obra deles pensei "Se eles estão fazendo isso, e tem gente que assiste, eu também posso fazer algo do gênero". Eu diria que filmes feitos com as ferramentas que eles utilizam, e com a qualidade que é apresentada no final, acaba se tornando um puta pavio na mente de pessoas que tem algo a dizer, mas achavam que não podiam. Eles inclusive escreveram um livro, que pode ser lido de graça no site da Canibal, chamado "Manifesto Canibal". Aquilo é um convite claro e genial a subversão dos conceitos cinematográficos padrões. De que cinema tem que ser bonitinho, perfeitinho, que nem o de Hollywood. Eu ousaria comparar a grandes movimentos indepentes como a Nouvelle Vague na França, ou o Dogma 95 na Dinamarca. Algumas diriam que o Cinema Novo foi o grande movimento revolucionário nacional. Eu acho que não, pois o Cinema Novo ficou nas mãos de intelectuais, e era chato. O cinema Udigrudi tem muito mais potencial de revolução, e a Canibal, e a Bulhorgia, são apenas um dos braços deste movimento. Fica o convite para quem estiver lendo, que se disponha a tentar fazer o seu próprio cinema, e acabar virando um novo braço. O cinema Udigrudi é para todos que querem ousar. E Kanibaru Sinema é só um dos diversos estopins desta revolução atemporal.

AH: Você pode sintetizar em poucas palavras o que seria o cinema Udigrudi?
Fly: É o cinema que VOCÊ mesmo pode fazer. É simplesmente o fato de não teres vergonha de se expressar através do audiovisual. É um cinema desprovido da marketagem "artística" e do tão alardeado "padrão de qualidade" que mais atrapalha o atual cinema brasileiro do que ajuda. É um exercício de um cinema de Terceiro Mundo, de um cinema que sabe onde está. É o cinema marginal, que fala por si só; não precisamos falar por ele. Eu nem deveria estar tentando definir o Udigrudi, pois é algo tão pessoal, vai de cada um, pois é o cinema que cada um pode dar a sua cara, que qualquer definição fica obsoleta. A todo momento tem alguem no mundo com idéias, criando, e jogando para o vídeo, e daí a definição já se altera, seja do Udigrudi, seja do Undeground.

AH: Pessoalmente falando, o que levou ao gosto pelo gore o que acha que atrai os fãs?
Fly: Só um adendo, o gore é só um dos estilos utilizados pelos diretores em questão. Seus filmes são variados, apresentam diversos estilos, e particularidades a cada projeto. Mas respondendo a pergunta, o gore acaba sendo muitas vezes para as pessoas, uma maneira de extravassar suas frustrações, raivas, irritações do cotidiano. Todo mundo tem um lado obscuro na mente, e aí se apresenta a diferença de quem gosta do gore, ou do terror em geral, e dos que não gostam. Não digo que é fato, mas a maior parte dos fãs do gênero, são pessoas calmas, que gostam de um papo bacana, tem opiniões fortes, e tal. Não atribuo exatamente ao gosto, mas é uma comprovação de que aquele preconceito contra fãs do terror, de que eles são pessoas violentas, influenciadas, é uma grande besteira. Além do mais, a violência (no gore, estética) é uma forma da pessoa alimentar seus instintos, de um jeito saudável. As reações, e motivos de gostos, são diversas. Tem gente que assiste querendo rir. Tem gente que assiste com um certo "prazer proibido". Tem gente que assiste como assiste qualquer outro filme, o que não deixa de ser verdade. Vemos violência em tudo que é lugar, no gênero de terror ela apenas se assume mais explicitamente. Não tem mal nenhum gostar disso, e esta liberação, esta falta de culpa pelo gosto, acaba causando uma atração forte, explicando o motivos que cada vez mais, as pessoas gostam de filmes de terror, gostam do gore, e principalmente, gostam de boas histórias, não apenas uma masturbação-visceral de nojeiras na tela. O público alvo é bem seleto por sinal.

AH: Uma descrição rápida dos filmes que serão exibidos para atiçar o público.
Fly: Serão dois filmes, um do Gurcius, um do Petter. O do Gurcius, é uma comédia-romântica-experimental-não-conceitual. É um filme emocionante, de ritmo alucinante, que fala sobre o amor. Mas não se deixe enganar, você nunca viu nada igual. É um filme erótico! Dramático! Místico! Assustador! Relaxante! Romântico! Frenético! Belo! Garanto uma verdadeira explosão de prazeres e sentimentos ao assistir ele!

Já o segundo filme, do Petter, é uma verdadeira transgressão surreal. Já nasceu cult, e devido as raras exibições, foi apelidado como um filme maldito. Muitos ouviram falaram, muitos desejam este filme, mas pouquíssimos viram, e pouquíssimos irão ver algum dia. Um filme muito sarcástico, furioso e emblemático, cheio de humor negro, e tantos elementos, que é impossível você não gostar de pelo menos uma parte dele.

AH: Alguma recomendação para quem se interessar?
Fly: Assitam filmes que são de Gurcius Gewdner. Assistam filmes da Canibal. Assistam filmes de outras produtoras independentes. Acessem os sites das produtoras. Busquem as comunidades no Orkut. Busquem os trabalhos deles que estão na internet de graça. Leiam o Manifesto Canibal. Leiam qualquer livro que seja bom. Façam seus filmes. Façam uma mostra e me chamem para ir assistir. Façam qualquer coisa. Se expressem como for.

---

Texto retirado do blog Sem Nome, Sem Sentido, Sem Noção

domingo, 20 de abril de 2008

|Fly|, você é assim!

Fiz um complexo teste de personalidade, e sou um INTP, que segundo a Wikipedia é:
http://pt.wikipedia.org/wiki/INTP

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Emo de Cu é Rola!

As cinzas de Sid Vicious se reviram, parte pelo solo de Harthrow, parte ao lado de Nancy, ao ver qualquer coisa se dizendo punk nos tempos modernos. Ou neo-punk. Caralho, até estilos puramente visuais já servem de rótulo? Deixe eu limpar o vômito do Warhol que acaba de ser jorrado em meus pés.

Keith Richards já disse que acha uma pena que as drogas hoje em dia estejam fracas de mais para ele, pois ele adoraria poder estar sempre chapado para não ter que ouvir as coisas que chamam de rock hoje em dia (claro, com excessões, diversas por sinal, é só saber procurar. acho que ele concordaria comigo).

Mas bem, quem sou eu para julgar. Iggy já disse que está pouco se fudendo para os bagulhos que ousam ofender toda uma ideologia sonora. E com medalhões tipo Siouxsie caindo nas mãos da mídia, só me resta lamentar. O que é pior, uma pérola que fica opaca por aceitar ficar sem polimento, e assim, perdendo o brilho, ou aberrações minerais tentado se juntar a algo, enquanto as pedras ficam renegadas as paginas de zines que pouco tem acesso?

Porcarias deveriam ser ignoradas por mim. Vou tentar seguir a filosofia do tio que masturba o ar por aí, com suas calças apertadas. Mas que esta porra irrita pra caralho, irrita!

domingo, 13 de abril de 2008

Fale Maestro!

Acredita na sorte? As opotunidades você as fabrica. Se você não trabalha, não tem chances. Duna não foi um fracasso, foi uma mudança de caminho. Há duas mentalidades: a da criança, que querem que lhe dêem; e a do adulto, que pode inverter sua energia. Se você não inverte, não tem, se não plantas, não colhes, se não tens paciência, desespera-se. E ter talento, claro. E sempre trabalhar no que você gosta. Nunca trabalhar no que você não gosta.

Alguma outra lei? Duas. Num contrato, aceita a pior parte, não lute pela melhor. E… entre fazer e não fazer, faça. Porque se não fazes, se frustra. E, mesmo se você se equivoca, tem a experiência. Então: faço, não faço? Faço!


Jodo! Genial como sempre.

domingo, 6 de abril de 2008

O paradoxo de nosso tempo


[ A versão abaixo é levemente diferente da versão do vídeo. Existem várias versões. Isso acaba sendo o que menos importa. Este texto se encontra em vários locais na internet, e normalmente postam como sendo ele de autoria de George Carlin, mas isso foi desmentido pelo próprio em seu site antes de morrer. Ele apontou o autor como o tal Dr. Bob Moorehead. Isso é outra coisa que pouco importa. Leiam, assistam, reflitam, e saiam daqui para viver as suas vidas. Sejam poetas do cotidiano! Sejam cotidianos na poesia da real existência! ]

O paradoxo do nosso período na história é que temos prédios maiores,
Mas temperamentos mais curtos;

Estradas mais largas,
Mas pensamentos mais estreitos;

Gastamos mais
E temos menos;

Compramos mais
E aproveitamos menos.

Nossas casas são maiores e nossas famílias menores,

Temos mais conveniências, porém menos tempo;

Temos mais estudo e menos bom senso;

Mais conhecimentos e menos capacidade de julgamento;

Mais especialistas e mais problemas,

Mais remédios e menos saúde.

Bebemos demais, fumamos demais, gastamos demais,

Rimos de menos, dirigimos com demasiada velocidade,

Perdemos com facilidade a paciência, dormimos muito tarde,

Levantamos com o corpo quebrado, lemos pouco,
assistimos TV em demasia e rezamos raramente.

Multiplicamos as nossas posses, mas reduzimos o seu valor.

Falamos demais, amamos de menos e odiamos muito.

Aprendemos como ganhar a vida, mas não como viver.

Adicionamos anos às nossas vidas e não vida aos nossos anos.

Fomos à Lua e voltamos, mas temos dificuldade em atravessar a rua,
Para falar com o nosso novo vizinho.

Conquistamos o espaço exterior, mas não o interior.

Fizemos coisas maiores, mas nem sempre melhores.

Às vezes limpamos o ar, mas poluímos as almas.

Conquistamos o átomo, mas não os nossos preconceitos.

Escrevemos mais e aprendemos menos;

Planejamos mais e conseguimos menos;

Aprendemos a correr, mas não a esperar;

Construímos cada vez mais computadores, para armazenar mais
informações e produzir mais cópias,
Mas nos comunicamos cada vez menos.

Estes são os tempos do "fast food" e da digestão lenta;
De homens grandes, com personalidades mesquinhas;
De lucros enormes e relacionamentos pequenos.

Estes são os dias de dois empregos e mais divórcios;
Casas mais bonitas e lares desfeitos.

Estes são os dias de viagens rápidas, fraldas descartáveis,
moralidade abandonada, encontros por uma noite, obesidade disseminada e pílulas para tudo, da alegria à calma e até à morte.

É um tempo onde há muito nas vitrines e pouco no depósito.

Um tempo onde a tecnologia permite que você leia isto e escolha o que fazer:
Dividir este sentimento ou apenas clicar em DELETE.


Lembre-se, diga uma palavra boa para aquele que lhe olha com fascinação,
Porque aquele pequenino crescerá em breve e o abandonará.

Lembre-se, abrace com carinho aqueles que estiverem ao seu lado,
Porque este é o único tesouro que você pode oferecer, e não lhe custa nada.

Lembre-se de dar as mãos para um alguém especial e aproveitar o instante,
Eis que, algum dia, aquela pessoa não estará ao seu lado em vida.

Dê um tempo ao Amor, dê um tempo às palavras, dê um tempo e divida os preciosos pensamentos da sua mente.

sábado, 1 de março de 2008

Filmes Obrigatórios de Contra-cultura

As vezes mexendo no computador, você acha verdadeiras pérolas esquecidas em alguma pasta obscura de seu HD. Hoje aconteceu isso. Tempos atrás, achei uma listagem com os melhores filmes de contra-cultura já feitos, daquele tipo que eu olho para você, e pergunta "Como você ainda não viu isso?". Ela foi montada por um grupo de cinéfilos, ou seja, nada de filmes para críticos metidos gostarem, e o público achar um saco. Admito que falta eu ver alguns vários filmes dela, mas pouco a pouco, estou perto do 100%. Só coisa boa na lista mesmo, dos que vi, nenhum é ruim. Garanto isso! E o que seriam filme de contra-cultura? Seriam filmes que mudaram a forma de ver o cinema. Inovaram. Ainda mais, mudaram a mente de sua geração (e das seguintes também). São filmes que te deixam mais próximo do caminho de ser uma pessoa com real opinião sobre o cinema, e sobre como ele reflete na sociedade. É aquele tipo de filme que quando acaba, você está mais completo (ou não). E em sua maioria, são filmes divertidos, já que se o filme fosse chato, e mensagem não seria passada de bom gosto. Alguns filmes são tão divertidos, que nem parecem revolucionários, mas aposto que de alguma forma, são. Então prepare a pipoca, e abra sua mente. E boa diversão, claro!

1946

* The Killers (1946)

1949

* They Live by Night (1949)

1955

* The Blackboard Jungle (1955)
* Rebel Without a Cause (1955)

1958

* Look Back in Anger (1958)

1959

* The 400 Blows (1959)
* Pull My Daisy (1959)
* Room at the Top (1959)
* Shadows (1959)

1960

* The Entertainer (1960)
* Hiroshima, Mon Amour (1960)
* Never on Sunday (1960)
* Peeping Tom (1960)
* The Savage Eye (1960)
* Saturday Night and Sunday Morning (1960)

1961

* Breakfast at Tiffany's (1961)
* Dog Star Man (1961-1964)
* Last Year at Marienbad (1961)
* The Misfits (1961)
* A Taste of Honey (1961)
* Victim (1961)
* West Side Story (1961)
* Whistle Down the Wind (1961)

1962

* A Kind of Loving (1962)
* Knife in the Water (1962)
* The Leather Boys (1962)
* The Loneliness of the Long Distance Runner (1962)

1963

* Billy Liar (1963)
* Contempt (1963)
* Flaming Creatures (1963)
* Scorpio Rising (1963)
* This Sporting Life (1963)
* Tom Jones (1963)

1964

* Girl with Green Eyes (1964)
* Guns of the Trees (1964)
* A Hard Day's Night (1964)
* Zorba the Greek (1964)

1965

* Darling (1965)
* Help! (1965)
* The Knack...And How to Get It (1965)
* Once a Thief (1965)
* A Thousand Clowns (1965)
* The War Game (1965)
* What's New, Pussycat? (1965)

1966

* Alfie (1966)
* Any Wednesday (1966)
* Blowup (1966)
* Chappaqua (1966)
* Chelsea Girls (1966)
* The Endless Summer (1966)
* Georgy Girl (1966)
* Hallucination Generation (1966)
* Lord Love a Duck (1966)
* Masculin, féminin (1966)
* Morgan! (1966)
* The Swinger (1966)
* The Trap (1966)
* The Wild Angels (1966)
* You're a Big Boy Now (1966)

1967

* Accident (1967)
* Barefoot in the Park (1967)
* Bonnie and Clyde (1967)
* Guess Who's Coming to Dinner (1967)
* How I Won the War (1967)
* I Am Curious (Yellow) (1967)
* I Am Curious (Blue) (1967)
* Magical Mystery Tour (1967)
* Message for Posterity (1967)
* Smashing Time (1967)
* To Sir, With Love (1967)
* Two or Three Things I Know About Her (1967)
* Valley of the Dolls (1967)
* Week End (1967)

1968

* Barbarella (1968)
* Candy (1968)
* Faces (1968)
* Flesh (1968)
* Greetings (1968)
* Head (1968)
* I Love You, Alice B. Toklas (1968)
* If... (1968)
* Maryjane (1968)
* The Party (1968)
* Petulia (1968)
* Pretty Poison (1968)
* Psych-Out (1968)
* Revolution (1968)
* Skidoo (1968)
* Three in the Attic (1968)
* Wild in the Streets (1968)
* Who's That Knocking at My Door? (1968)
* Wonderwall (1968)
* Yellow Submarine (1968)

1969

* Alice's Restaurant (1969)
* Bob & Carol & Ted & Alice (1969)
* Cactus Flower (1969)
* The Gay Deceivers (1969)
* Goodbye, Columbus (1969)
* The Italian Job (1969)
* The Magic Christian (1969)
* Medium Cool (1969)
* Midnight Cowboy (1969)
* More (1969)
* Putney Swope (1969)
* Sweet Charity (1969)

1970

* Beyond the Valley of the Dolls (1970)
* Brewster McCloud (1970)
* Catch-22 (1970)
* El Topo (1970)
* Five Easy Pieces (1970)
* Getting Straight (1970)
* The Honeymoon Killers (1970)
* Husbands (1970)
* The Landlord (1970)
* M*A*S*H (1970)
* The People Next Door (1970)
* Performance (1970)
* Punishment Park (1970)
* The Revolutionary (1970)
* The Strawberry Statement (1970)
* Watermelon Man (1970)
* Woodstock (1970)
* Zabriskie Point (1970)

1971

* Drive, He Said (1971)
* Gas-s-s-s (1971)
* Harold and Maude (1971)
* McCabe & Mrs. Miller (1971)
* Minnie and Moskowitz (1971)
* Pink Narcissus (1971)
* A Safe Place (1971)
* The Last Movie (1971)
* THX 1138 (1971)
* Two-Lane Blacktop (1971)
* W.R.: Mysteries of the Organism (1971)

1972

* Butterflies Are Free (1972)
* Cisco Pike (1972)
* F.T.A. (1972)
* The Final Comedown (1972)
* Fritz the Cat (1972)
* Last Tango in Paris (1972)
* Pink Flamingos (1972)
* Portnoy's Complaint (1972)
* The Ruling Class (1972)
* Silent Running (1972)
* Steelyard Blues (1972)

1973

* American Graffiti (1973)
* Electra Glide in Blue (1973)
* The Final Programme (1973)
* Flesh for Frankenstein (1973)
* The Harrad Experiment (1973)
* The Holy Mountain (1973)
* Jesus Christ Superstar (1973)
* La Maman et la Putain (1973)
* Serpico (1973)
* Themroc (1973)
* The Wicker Man (1973)

1974

* Alice Doesn't Live Here Anymore (1974)
* Dirty Duck (1974)
* Lenny (1974)
* The Nine Lives of Fritz the Cat (1974)
* Steppenwolf (1974)
* Sweet Movie (1974)
* A Woman Under the Influence (1974)

1975

* Dog Day Afternoon (1975)
* Nashville (1975)
* Lisztomania (1975)
* One Flew Over the Cuckoo's Nest (1975)
* The Rocky Horror Picture Show (1975)
* That's the Way of the World (1975)
* Tommy (1975)

1976

* Helter Skelter (1976)
* The Killing of a Chinese Bookie (1976)
* The Man Who Fell to Earth (1976)
* Salò o le 120 giornate di Sodoma (1976)

1977

* Looking for Mr. Goodbar (1977)
* Opening Night (1977)

1978

* Coming Home (1978)
* The Last Waltz (1978)

1979

* The China Syndrome (1979)
* Hair (1979)
* More American Graffiti (1979)
* Over the Edge (1979)
* Quadrophenia (1979)
* The Rose (1979)

1980

* Gloria (1980)
* Out of the Blue (1980)

1981

* Shock Treatment (1981)

1982

* Pink Floyd The Wall (1982)

1983

* La Lune dans le caniveau (1983)

1984

* Repo Man (1984)
* Suburbia (1984)

1985

* My Beautiful Laundrette (1985)

1986

* Sid and Nancy (1986)

1987

* Prick Up Your Ears (1987)

1991

* Slacker (1991)

1992

* The Living End (1992)
* Singles (film) (1992)

1993

* Totally Fucked Up (1993)

1994

* Go Fish (1994)

1995

* The Doom Generation (1995)
* Stonewall (1995)

1996

* Camping Cosmos (1996)
* Trainspotting (1996)

1997

* Nowhere (1997)

1998

* The Big Lebowski (1998)
* Fear and Loathing in Las Vegas (1998)

1999

* Fight Club (1999)
* Splendor (1999)
* South Park: Bigger, Longer, and Uncut (1999)

2000

* Snatch (2000)
* Requiem for a Dream (2000)
* American Beauty (2000)

2001

* Waking Life (2001)
* The Royal Tenenbaums (2001)
* Ghost World (2001)

2003

* The Dreamers (2003)

2005

* Mysterious Skin (2005)

2006

* Brothers of the Head (2006)

2007

* Neal Cassady (2007)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

TOP 5 #01 (Diferenças entra "High Fidelity" livro e filme)

Começando uma coluna whareveral, ou seja, sem data para sair. O nome é auto-explicativo. Então, SOM NA CAIXA |FLY| (é que eu me acho DJ. só não entendi o motivo deste "SOM NA CAIXA |FLY|, se alguém imaginar um, me avise. ou faça um TOP 5 sobre isso):

Bem, o tema desta edição #01 é justo. Foi este livro/filme que me inspirou a esta coluna. Sou fanático por listagens desde pequeno, mas nunca foi tão "pop" fazer uma, quanto depois de conhecer estas pequenas obras. Então, como revi o filme hoje, reli o livro há meses atrás (mas mantenho ele vivo na mente, como não?), e comecei a reler hoje, vai ser este mesmo o tema. No mais, quem se importa?

05 - Quantidade de cigarros fumados - Caramba, nunca li livro com tantos cigarros fumados. É citação a isso o livro todo. Todo momento. Quase uma lavagem cerebral. Já no filme, os cigarros estão lá, mas discretos, e em bem menor quantidade. Justifica então o sumiço de alguns diálogos bacanas, principalmente os da namorada do Rob implicando com ele por fumar. Ele dando a mínima para isso era no mínimo engraçado (mínima, mínimo, eca). Ficou na posição 5 simples, pois é só uma constagem mesmo, não muda nada na história.

04 - Referências - Lógico. O livro se passa no inicio dos anos 90, o filme, por volta do anos 2000. Muito justo. Sem contar que, tem as questões de direitos autorais. Tem também um outro fato que influencia, mas, vai vir logo adiante. Posição 4 pois as mudanças existem, mas não afetam a história também, e no mais, o dobro de recomendações para você caçar depois que ler/assistir.

03 - Retirada de personagens e situações - Aceitável, se não filme ficaria muito longo. Opa, pera aí, aceitável nada. Queria ver TUDO do livro no filme, nem que ficasse com 3 horas de duração (sabe, calculo que seria +/- isso, pois o filme já é quase completo, e dura menos de duas). O texto do Nick Hornby é bem enxuto, o livro você acaba rapidinho, e isso, acreditem, é uma qualidade. Vai escrever bem assim lá em Londre (mas pera, ele escreveu em Londre...). Nas mãos de outra pessoa, seria um livro ralo. PONTO! E posição 3, pois eu queria um filme maior sim, mas como está, fica perfeito. Uma das melhores adaptações que conheço.

02 - Mudança na ordem dos eventos - Genial! Adoro como livro coloca por exemplo, a listagem das 5 separações. Mas viva Stephen Frears, pois pelo que sei, no roteiro original elas estavam que nem no livro. Ele brincou com a lista, e jogou pelo começo do filme todo. Ficou melhor, sério! Já era fã do diretor por causa de "Os Imorais" (com o John Cusack também, ou seja, virei fã do John igualmente), agora decidi que sou obrigado a catar os outros filmes do diretor. Quero ser como ele quando crescer (e como o Hitchcock, o Kubrick, o Peckinpah, e tantos outros. por enquanto só sou como o Kevin Smith e o Tarantino). Posição 2 pois isso foi foda, muito foda!

01 - Local da história - Afetou todo o filme. Não é ruim, não é bom também. É só diferente. E diferente fica muita coisa. Piadas que não deram para usar. Outras foram incluidas. Mudaram as referências. Hábitos alternativos. Enfím. Um exercício bacana, quase um "What If...?" da Marvel. Posição 1 totalmente válida, não acham?

---

Alguém quer me dar uma jaqueta de couro e um óculos escuro estilo cantor de blues? Se eu cortar o cabelo que nem quando tinha 12 anos, vou poder pousar de irmão do Rob Gordon/Fleming (D'oh! Esqueci da mudança de nomes no TOP 5).

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

A Vida Como Ela É "Para Os Dançarinos de Polka"

A saga emocionante do novo herói nacional. Muito sexo simulado, bebidas em garrafa de Pepsi, cabelos, e tudo mais que você gosta, e sempre quiser ver em uma minisérie.Censura livre no começo, 12 anos depois de 30 segundos, e 18 anos depois de 47 segundos.

http://www.youtube.com/watch?v=8oLECl17zpw

Um novo clássico do cinema nacional! Não percam.